segunda-feira, 3 de outubro de 2016

CARTA PARA O RENATO INÁCIO

Por Fernando Rocha


Caro Renato Inácio,

A criação artística é de fato uma guerra armada dentro de quem cria, abrir o disco gritando, anunciando a batalha demonstra que você carrega a inquietação que explode em obra de arte. A mudança estética em Limbo calcada na potência elétrica da sonoridade de um power trio, demonstra que estamos mesmo feridos, há quem chore, quem se desespere e quem transforma os dissabores em um movimento criativo, no primeiro disco do Barão Vermelho, Cazuza também abre com um grito.

Você é mesmo alguém que não vai ficar esperando, é da estirpe que faz acontecer, é óbvio que o silêncio faz muito barulho, ao invés de proteger os ouvidos, integra a paisagem sonora, seja o percurso do caminho que se constrói com as suas letras e acordes.

Em Asteroide parece haver um Pequeno Príncipe despejado, sem planeta, sem rosa ou baobá, despejado no coas de Sampa, sem a possibilidade de seguir para outros lugares da galáxia. Uma bela crônica musicada, a linha de baixo é fantástica, nos conduz pelos caminhos dos seus versos.

Ficar só é inevitável, tal como a fugacidade da permanência do desejo, Dois segundos, Ódio sincero, Ode sobre a melancolia formam um bloco que mais dialoga com a estética da cidade de Seattle, lugar onde seu álbum foi mixado, esta última justifica o termo literário presente no título.

Gosto bastante de Porão, mas me alegra muito ver a sua coragem em arriscar, experimentar. Atualmente, a originalidade foi substituída pela honestidade, e esta encontramos em seus dois trabalhos.

Tenho que confessar que às vezes me pego caminhando pela cidade, esta mesma que você canta, cantarolando Distância, sempre tenho medo deste frio nunca passar. Se como você disse numa entrevista, esta for a sua primeira composição, começou muito bem, meu velho!

Vou ficando por aqui, tenho a impressão que o melhor lugar para as palavras é em companhia da música, então elas ficarão melhor aí contigo e sua guitarra do aqui ocupando o espaço da tela do computador. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário