quinta-feira, 22 de março de 2018

VOCÊ CONSEGUIU, PARABÉNS

Por Gabriel Barban

O homem do meu lado no metrô disse que a semana está começando e que “só os fortes chegarão até o final”.
Ele falava ao telefone e obviamente não comigo. Não tenho amizade com pessoas que gostam de empregar tal sentido à palavra forte.
Devo ter passado uns 2 minutos pensando na frase que mais parecia um mantra de autoajuda.
Chega! Seja lá o que isso quer dizer, não sou forte nem pra refletir sobre uma citação, quanto mais para ir até o final, pensei.
O sinal telefônico ia ficando cada vez mais baixo, enquanto a voz do ilustre passageiro ia só aumentando.
-Caiu.
Disse ele em tom de tristeza e repousou as costas na parte de trás do banco.
Olhei a estação atual: restavam ainda seis para o meu desembarque.
-Você paga uma fortuna nisso daqui e ele não funciona.
Disse o senhor, já um pouco conformado com toda aquela situação tecnológica-constrangedora.
-Não disseram que iam colocar antenas nas estações? Não disseram?
Olhou para mim.
Fiz uma expressão de desânimo e tentei parecer neutro, enquanto olhava novamente as estações. Faltavam quatro.
Realmente o centro é um pouco longe.
Entra um ambulante: gritaria, vendas, guardas e algumas risadas. Nada fora do comum. Essa cidade tem dessas coisas e você logo se acostuma.
-Será que eles pagam imposto?
Perguntou uma mulher ao vento e abotoou o último botão superior de sua camisa listrada.
Três estações para mim.
Comecei a ficar com medo. Será que aquele cara ia descer na mesma estação que eu? Ele era meu vizinho e eu nunca percebi? O quão desligado estou eu do mundo?
O vagão esvazia e a hora do rush logo não parece ser mais a hora do rush, tanto assim. Todo mundo com seu celular fazendo qualquer coisa. Qualquer coisa que fosse útil. Útil para fazer com que o tempo passasse mais rápido.
Do que adianta chegar ao final se você não viveu o caminho?
Passar todo o tempo se entretendo com uma tela de vidro parece ser o jeito mais fácil para manter o rumo.
Difícil mesmo é brigar, é rir, é reclamar do que está errado, reclamar do tempo frio e do frio das pessoas.
É sentir.
Ser forte pra mim é isso: é aceitar essa nossa natureza de não ser forte o suficiente para superar tudo.
E tudo bem. É como dizem os caras do Codinome Whinchester: tome mais remédios para não se atirar de um prédio.
E quem sabe você chegará até o fim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário