terça-feira, 20 de novembro de 2018

ESCOLA NEUTRA: É POSSÍVEL?

Por Alexandre P. Bitencourt


                Imagem: http://contrafbrasil.org.br/noticias/debatedores-destacam-que-projeto-de-banda-larga-nas-escolas-rurais-esta-parado-p-32df/


Existe escola neutra? O que significa neutralidade na escola? Me parece que o fato de ser neutra já anula e descaracteriza a escola, que pode até parecer para alguns, apenas um lugar onde se ensina determinada doutrina filosófica, literária, sociológica, etc., porém, o conceito de escola vai muito além disso. Escola é uma ideia, é um lugar onde ensinar/aprender são características inerentes a toda comunidade escolar, para tanto, deve se basear no pluralismo, diálogo e respeito às diferentes ideologias. Diferentemente do que propõe o Programa Escola Sem Partido, que na verdade parece querer impor às escolas e aos professores apenas uma ideologia, para isso, pretendem constranger e amordaçar os professores.

Nossa luta deve ser pela construção e permanência de uma escola pública democrática, plural e de qualidade, de um currículo emancipador, de uma escola que seja justa e igualitária, que respeite as diferenças, onde as minorias tenham voz e vez. No entanto, isso se constrói com muito diálogo, não somente pela força de leis, decretos e portarias, nem tampouco, com cartazes nas salas de aulas com proibições, como proposto pelo Escola Sem Partido.

Anexar cartaz em sala de aula para tentar intimidar professores, da liberdade de ensinar/aprender, uma vez que quem ensina aprende, a meu ver, não contribui com a melhoria da educação, principalmente, da educação pública que passa por sérios problemas como, por exemplo, a falta de investimento público, o abandono de inúmeras escolas, a superlotação das salas de aula, a desvalorização dos professores, entre outros. Temos sim que lutar por uma escola livre, com um currículo menos autoritário (pois nossos currículos ainda são autoritários), mas não se consegue fazer isso, com mecanismos intimidatórios com quem são os mais apropriados para discutir a qualidade da educação, que são os professores.

O papel dos professores é, entre outros, contribuir com a formação integral dos alunos, e não tenho nenhuma dúvida que é isso que a maioria tem feito, professor não é doutrinador de uma ideologia como pensam os idealizadores do Escola Sem Partido, quem doutrina são os religiosos, professor é educador. O trabalho que os professores têm realizado nesse país é sério, por isso, precisa ser respeitado, nosso objetivo é formar sujeitos com direitos e deveres, para se construir uma sociedade capaz de garantir igualdade de decisões e com conhecimentos para se posicionar frente às constantes mudanças, sociais, climáticas, tecnológicas, etc.

Isso ocorre nas salas de aula, cotidianamente, com discussões e debates de ideias, a partir do que propõe os currículos organizados por cada secretaria de educação dos estados e municípios em suas respectivas áreas do conhecimento, portanto, se vocês do Escola Sem Partido não sabem, por favor, vão estudar e conhecer a realidade das escolas brasileiras, principalmente, das escolas públicas, não fiquem propagando mentiras e incitando o ódio em torno do inexistente para tentar colocar as famílias contra a escola e os professores, pois me parece que é exatamente isso que o Escola Sem Partido pretende com tal projeto.